O medo é mais forte que a ambição; investidores priorizam a preservação de capital

Escola de Negócios

Coluna do Valor Investe

Artigo da semana do Valor Investe, traz alguns insights tirados da captação líquida dos fundos líquidos.

A captação líquida dos fundos de ações mostra claramente que os investidores não estão alheios aos fatos e aos sinais no horizonte. O saldo acumulado no primeiro semestre representa menos de 20% do alcançado no semestre imediatamente anterior.

Em contraste, a captação líquida dos fundos de renda fixa registra um valor quase 50% superior, considerando o mesmo período de comparação.

Ainda no campo das comparações, na primeira metade de 2019 os fundos de ações captaram quase 2 vezes mais que os de renda fixa, R$ 25 bilhões contra R$ 13 bilhões. Já neste primeiro semestre a relação é diametralmente oposta, caindo para apenas 3%, R$ 4 bilhões contra R$ 131 bilhões.

Vale destacar que a captação líquida estimada para as três classes, renda fixa, ações e multimercado, neste primeiro semestre é de R$ 209 bilhões, contra R$ 82 bilhões no primeiro de 2019. O que mostra que não há falta de recursos para irrigar os fundos de ações.

Os números comprovam que os investidores não são insensíveis ao contexto e muito menos tomam decisões irracionais. A racionalidade é limitada, mas ela existe.

Para ler o artigo na íntegra é só clicar aqui!!

Deixe uma resposta

× Contato via Whatsapp